IFPR irá ofertar complementação do caso Iesde/Vizivali

A polêmica sobre o reconhecimento dos diplomas dos cerca de 30 mil estudantes que fizeram a capacitação do Iesde/Vizivali parece ter chegado ao fim. O Instituto Federal do Paraná (IFPR), que tem sede em Curitiba e unidades em diversos municípios do estado, irá criar cursos de complementação que irão permitir que os diplomas possam ser validados. As aulas serão ministradas de forma semipresencial nas cerca de 240 telessalas do Instituto espalhadas pelo estado.

Ainda não há previsão de quando os cursos serão ofertados, mas a previsão inicial é de que iniciem somente em 2010. O primeiro curso deverá ser o de Libras, formação exigida para o curso Normal Superior. “Esses cursos terão de 140 a 200 horas. Todos os detalhes técnicos sobre como funcionará o curso ainda serão discutidos a partir da semana que vem”, explica Eunice Alberton, presidente do movimento estadual dos professores egressos do programa.

O presidente da Undime-PR, Cláudio Aparecido da Silva, acredita que a oferta de cursos de complementação pelo IFPR é uma conquista. “Essa era uma luta grande de todos esses profissionais. Por isso, a Undime comemora essa vitória porque sabemos da importância em se dar um encaminhamento definitivo para a garantia do reconhecimento desses diplomas”, ressalta.

Carlos Moreira, secretário-chefe de gabinete do governador Roberto Requião e ex-reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), explica que a solução encontrada se espelha no programa de ocupação de vagas ociosas (Provar), criado em sua gestão na UFPR, em 2003. “Essa experiência permitiu vislumbrar essa situação, pois esses professores fizeram o curso, merecem o diploma e a condição de estar atuando nas escolas”, disse. “Eles vão validar o que fizeram na outra instituição e receber o diploma pelo IFPR”, explica.

Segundo Alípio Santos Leal Neto, reitor do IFPR, o curso já é uma certeza. “Todos os paranaenses poderão fazer o curso Normal Superior, por meio de teste seletivo”, contou. “Uma preocupação agora é para que não haja custo para os professores que já gastaram, às vezes até o que não podiam, mas se esforçaram e foram lesados”, disse. Estes professores deverão procurar o instituto e solicitar a inscrição e aproveitamento dos conteúdos. Ainda não há uma data para isso. Quando ocorrer será divulgado no site da instituição (www.ifpr.edu.br). Isso significa que os cursos não serão abertos apenas para os professores que fizeram a capacitação na Vizivali, mas também a quem quiser.

O deputado estadual Péricles de Mello (PT) disse ontem ao Nota 10 que é bem provável que o governador Roberto Requião não retire do Supremo Tribunal Federal (STF) a Ação Direta de Inconstitucionalidade que impetrou no órgão contra uma lei estadual aprovada pela Assembleia que permitia que as universidades estaduais validassem os diplomas. “O que o governador apontou foi uma espécie de vício de iniciativa, que não caberia ao Legislativo definir sobre o assunto”, disse. Carlos Moreira ressaltou ontem ao Nota 10 que não saberia dizer se a ação seria retirada, pois agora a solução foi encontrada por outras vias.
Fonte: Nota 10

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

7 + doze =