Diplomas da Vizivale serão validados

A afirmação do deputado estadual Professor Lemos (PT), feita na última terça-feira (18/08) – que a solução do “caso Vizivali” estava próxima-, se confirmou na manhã de quarta-feira (26/08): o governo do estado anunciou que o Instituto Federal do Paraná (IFPR), vai criar um curso que complementará as matérias que faltam para que os diplomas possam ser validados. Cerca de 35 mil estudantes que concluíram o curso normal superior, por meio do Instituto Educacional e Sistema de Ensino (Iesde) junto a Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu (Vizivali) serão beneficiados.

“Sempre estivemos acompanhando e lutando para que esse impasse fosse resolvido. Agora, o governo do Paraná, junto com o Instituto Federal do Paraná e com o acompanhamento do Ministério da Educação, validarão os diplomas e os professores estarão protegidos. Muitos professores estavam tendo problemas por conta da não validação dos diplomas, alguns até tiveram sua progressão na carreira cancelada, uns até foram demitidos. Já a partir de 2010, esse impasse será resolvido e os diplomas serão validados,” afirmou Lemos.

Segundo a declaração do governo, o curso complementará a carga horária necessária, na modalidade de ensino à distância. O Instituto Federal do Paraná vai criar um curso aberto, em que os alunos da Vizivali poderão ingressar para complementar as matérias que faltam para poder validar os diplomas.

Segundo Alípio Santos Leal Neto, reitor do IFPR, o curso deverá estar à disposição da comunidade até 2010. “Todos os paranaenses poderão fazer o curso Normal superior, por meio de teste seletivo”, contou. “Uma preocupação do governo do Paraná é para que não haja custo para os professores que já gastaram, às vezes até o que não podiam, mas se esforçaram e foram lesados”, disse.

Estes professores deverão procurar o Instituto e solicitar a inscrição e aproveitamento dos conteúdos em momento oportuno que será divulgado no site da instituição (www.ifpr.edu.br). As aulas serão ministradas de forma semipresencial nas telessalas do Instituto espalhadas pelo Estado.

Tribunal de Contas

O deputado estadual e secretário de Políticas Sindicais da APP-Sindicato, Professor Lemos e a presidente da APP-Sindicato, Marlei Fernandes de Carvalho, o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Claudio Silva, e o deputado Péricles de Mello reuniram-se com o presidente do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE), Hermas Brandão, para discutir a validação dos diplomas Sistema de Ensino (Iesde) junto a Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu (Vizivali). Após anuncio de que o governo vai validar o diploma dos cerca de 35 mil estudantes que concluíram o curso Normal Superior nesta entidade, os presentes solicitaram ao presidente do TCE que não haja punição às contas das prefeituras que nomearam professores que passaram por esta formação.

De acordo com a presidente da APP, Marlei Fernandes, o que se espera agora é que os municípios não sejam punidos por terem nomeados professores que apresentaram a declaração e não o diploma da Iesde/Vizivali. “Nem os professores/as e nem os municípios que realizaram a nomeação como também a promoção e progressão na carreira devem ser punidos”, declarou.

A presidente afirmou ainda que, com a decisão do governo para solucionar o problema, a APP também enviará um documento para o TCE solicitando o sobrestamento de todos os processos que atinjam essa situação. Marlei irá protocolar imediatamente o documento junto ao TCE. “Será uma garantia às prefeituras e também aos professores, para que não haja nenhuma exoneração ou mesmo venham a ter prejuízo na carreira. É uma questão de justiça com todos aqueles que agiram de boa fé. Estes terão a resolução do problema via IFPR com a complementação e certificação do seu curso. Além do mais, realizaram concurso público, então a APP fará essa solicitação junto ao TCE”, enfatizou.
Fonte: CUT Pr.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

5 × 1 =