Greve! Pupin a decisão está na sua mão

Não restou outra alternativa. O prefeito Carlos Roberto Pupin se manteve irredutível até o último momento e os (as) servidores (as) municipais decidiram pela greve no dia 31 de março. A situação chegou ao seu limite, os trabalhadores não vão aceitar a proposta rebaixada e ínfima apresentada pela administração.

Parabenizamos os vereadores Humberto Henrique (PT), Mário Verri (PT), Carlos Emar Mariucci (PT), Ulisses Maia (SDD), Chico Caiana (PTB), Belino Bravin (PP) e Adilson Cintra (PSB), que atendendo ao pedido dos trabalhadores (as) compareceram a assembleia e se posicionaram ao lado da categoria. Lamentamos, no entanto, que alguns vereadores, que também são servidores (as) não compareceram, caso de Márcia Socreppa (PSDB), Carmen Inocente (PROS) e Dr. Manoel Sobrinho (PCdoB)

A luta continua, pois o desrespeito da administração ficou evidente. O prefeito não teve sequer a responsabilidade de enviar um documento aos servidores (as) justificando a sua posição. Pior ainda, esta gestão alegou em nota, amplamente divulgada por veículos de mídia,  que os trabalhadores tiveram ganho real com a implantação do PCCR, isso não condiz com a verdade e esclarecemos o por quê:

  • Apenas 50% das categorias tiveram algum avanço salarial com o PCCR;
  • A prefeitura afirma há anos, que tem tido superávit financeiro e lembramos que o PCCR, por falta de vontade política foi deixado de lado por 15 anos;
  • A partir dos estudos realizados pelo SISMMAR é possível sim conceder aumento real aos servidores (as);

Portanto, não resta mais dúvidas, a solução é a greve e a mobilização diária dos servidores (as), usando as camisetas da Campanha Salarial e chamando os companheiros para a luta. Agora Pupin terá que decidir, pela valorização do trabalhador (a) ou pela greve. E aí prefeito, qual será a sua escolha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

cinco × 2 =